Quem Escreve

Zao Make up Portugal

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Novex Meus Cachos dá-lhe caracóis definidos com um volume perfeito!


O seu dia a dia é feito de ondas mais ou menos definidas, caracóis compactos, super compridos ou cachos sem medo do volume? Porque os caracóis de uma mulher podem ser uma verdadeira montanha-russa de emoções, a linha Novex Meus Cachos oferece às curvas do seu cabelo ainda mais liberdade, encanto e sensualidade!
A pensar nos vários tipos de caracóis, a linha Novex Meus Cachos reúne 7 óleos nutri-funcionais que oferecem aos seus caracóis, para além de hidratação e nutrição, uma poderosa ação anti frizz e um brilho sublime.


Descubra os 7 benefícios para os seus caracóis:

1 - Oliva: Forma uma película protetora que impede a perda de água dos fios.

2 - Argan: Repara os danos da membrana celular e potencia a hidratação.

3 - Ojon: Promove uma restauração de alto impacto nos cabelos danificados.

4 - Monoi: Possui propriedades nutritivas, reparadoras e protetoras.

5 - Coco: Auxilia na recuperação dos fios secos e garante brilho e suavidade.

6 - Karité: Restaura a flexibilidade natural e revitaliza os cabelos fragilizados.

7 - Moringa: Contém ácidos gordos que hidratam e proporcionam elasticidade aos fios.



Modo de uso para uma hidratação profunda:




Passo 1

Lavar o cabelo com o Champô Novex Meus Cachos. Enxaguar.





                                                               

Passo 2

Aplicar a Máscara Novex Meus Cachos e deixar atuar durante 10 minutos. Enxaguar


Passo 3

Aplicar o Condicionador Novex Meus Cachos e deixar atuar durante 3 minutos. Enxaguar
Passo 4

Aplicar o Creme de Pentear Novex Meus Cachos mais adequado ao seu tipo de caracóis - SoltosSuavesIntensos e    
 
- nos fios de cabelo ainda húmidos. Não enxaguar.



Vejam o vídeo do passo a passo!




Onde comprar os produtos Novex Meus Cachos?
  • No ponto de venda mais próximo da sua residência AQUI
  • Diretamente online, através do site da Embelleze Portugal AQUI.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Etiquetas Personalizadas para Presentes Especiais

Nesta altura do ano gostamos de  ser diferentes e fazer alguém sentir-se especial. Pensei imenso numa forma de marcar a diferença logo no embrulho das minhas prendinhas. Ok, eu sei que o embrulho se rasga num ápice, mas se lhe colocar-mos amor, se lhe colocar-mos um pouco de nós isso não irá acontecer. 

Foi então que entrei em contacto com a  Tiketa.pt e a sua proposto foi de sonho. Querem saber qual foi? Então sigam-me em mais um post onde irei expor toda a minha experiência. 

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

No Reino das Etiquetas


Prometi-vos muitas novidades, novidades muito boas para o blog em termos de conteúdo, mas ainda melhores para vocês.
Como sempre vos tenho dito, quando escolho uma parceira para o blog, escolho sempre uma que me preencha, uma que represente qualidade e que vos traga benefícios. Foi neste contexto que resolvi embarcar numa nova parceria cheia de novidades e produtos de grande qualidade que podem trazer para a vossa vida etiquetas de sonho. Vamos personalizar as nossas vidas
Mas as novidades não ficam por aqui. Acompanhem-me em mais um post e deliciem-se com uma agradável surpresa que tenho para vocês, os meus queridos seguidores.


sábado, 11 de novembro de 2017

A Mudança


Todo o ser humano gosta de mudar o seu visual. Por vezes são mudanças pequena, quase imperceptíveis, mas que na verdade fazem muito bem à alma. Quantas vezes nos sentimos em baixo, agarramos em nos, vamos ao salão de cabeleireiro, entregamos-nos nas mão dos profissionais e saímos de lá outra pessoa?

Muitas vezes o problema é encontrar os profissionais certos. Esta tem sido a minha grande luta. Há já imenso tempo que deixei de confiar. Corri salões e salões e saía de cada um insatisfeita e a carteira vazia.

Desde que vim morar para Santo André que fui escurecendo o meu cabelo para poder pintar em casa. Sim, porque não encontrei nenhum louro que gostasse. Acabavam todos por "fugir" para o "amarelo canário", coisa que detesto. Deixei de o esticar e rendi-me aos meus cachos. Confesso que adoro os meus cachos, mas dão imenso trabalho e requerem muitos produtos extra para se manterem hidratados. Os produtos que usava eram:

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Vegetarianismo

Olá a todas(os)! Espero que a semana esteja a ser incrível! Leram o post anterior? Falamos sobre AngelKi.

Aproveito para vos informar que hoje e amanhã estarei na Feira Alternativa, na Alfândega do Porto, a fazer terapias e até mesmo para uns momentos de conversa! Aguardo a vossa visita! Estarei com a FreeFlow Arca d’Água, uma equipa cheia de energias positivas.


Hoje o tema que vamos abordar aqui n’A Magia da Saúde, é sobre Vegetarianismo. Incrível, coincidência ou não, é um tema que vai muito de encontro ao que é vivenciado e apoiado por maior parte das pessoas da FreeFlow. Um espaço que está sempre com atividades de showcooking e mesmo workshops de vegetarianismo e veganismo.


O que é o vegetarianismo?

O vegetarianismo é uma opção alimentar que exclui todos os tipos de carne e peixe. A alimentação vegetariana baseia-se numa grande variedade de alimentos de origem vegetal. Hoje em dia, existem inúmeros restaurantes vegetarianos que têm opções de pratos tradicionais que são adaptados ao vegetarianismo (como por exemplo, a francesinha ou bacalhau à brás), podem encontrar também inúmeras receitas com vegetais que são incrivelmente deliciosos e bastante nutritivos. 

Existem várias razões para as pessoas tornarem-se vegetarianas, uma delas é para evitar a morte desnecessária de animais, que muitas vezes é feita sem qualquer respeito e de forma cruel. Outros motivos conhecidos são: ambientais, de saúde, espirituais ou religiosos. 

Este tipo de alimentação já é habitual ao longo dos séculos e em muitas partes do mundo! Antes de surgir a palavra “vegetariano”, em 1842, o vegetarianismo era nomeado como regime vegetal ou regime pitagórico (segundo Pitágoras). Em Portugal, a primeira Sociedade Vegetariana surgiu a 1911.


De acordo com vários estudos, o vegetarianismo causa menos poluição e gasta menos recursos para ser produzida em comparação com a alimentação que recorre aos produtos de origem animal.


Que tipos de vegetarianismo existem?


Existem vários tipos de vegetarianismo, sendo que existe muito a dizer sobre cada um, mas aqui vou deixar apenas uma pequena descrição.


Vegan

Neste tipo de vegetarianismo é excluído qualquer tipo de carne e peixe, incluindo produtos de origem animal (ovos, lacticínios, mel, gelatina). As pessoas que defendem este tipo de vegetarianismo também não usam qualquer produto de origem animal (couro, seda, lã), assim como cosméticos de origem animal e testados nos mesmos.


Lacto-Vegetariano

Este tipo de vegetarianos não come ovos na sua dieta. 


Ovo-vegetariano

Incluem ovos na sua alimentação, mas excluem o leite e todos os seus derivados. 


Ovo-lacto-vegetariano

Esta é a forma mais clássica e mais popular. As pessoas que defendem este regime alimentar comem lacticínios e ovos, embora excluam a carne, o peixe e os produtos alimentares provenientes dos animais.


Frugívoro (ou frutívoro)

Alimentam-se apenas de frutos, grãos e sementes. É uma alimentação muito parecida ao vegan, mas só ingere frutas e verduras que não matam árvore ou planta, evitando todas as raízes (cebola, batata).


Crudívoro

Estas pessoas ingerem apenas alimentos crus. Os alimentos são comidos no estado natural e geralmente sem recurso a conservantes, temperos, fermentações ou preparos culinários.




Existe idade certa para se tornar vegetariano?


O vegetarianismo é apropriado para todas as idades. A Associação Dietética Americana afirma que qualquer dieta vegetariana, desde que bem planeada, é apropriada para qualquer fase do ciclo de vida. Inclusivé, atletas de alta competição podem, sem problema algum, recorrer a este tipo de alimentação.


Quantas pessoas já recorrem a este tipo de alimentação?


O vegetarianismo tem estado em crescimento em todo o Mundo. Segundo um estudo estatístico feito para o Centro Vegetariano em 2007, haveria nessa altura 30.000 vegetarianos em Portugal, ou seja, 0,3% da população. Em Setembro de 2017, repetiram os estudos e demonstram uma evolução surpreendente. O número de vegetarianos quadruplicou, com 1,2% de portugueses a não consumirem carne ou peixe. Nos Estados Unidos, o consumo e a procura de carne têm vindo a diminuir desde 2006, e, um inquérito de 2009-2010 revelou que, nas universidades americanas, 12% dos estudantes se identificou como vegetarianos. Existe cada vez mais procura de informação sobre vegetarianismo.



Para saberem mais sobre o impacto que teria se, cada vez mais pessoas aderisse a este tipo de alimentação podem consultar este artigo que achei muito interessante: http://www.bbc.com/portuguese/vert-fut-38129638

É importante salientar que, para mudar para este regime dietético é necessário ter em atenção os nutrientes e vitaminas que o nosso organismo necessita e onde se pode encontrar com facilidade sem ter de recorrer a vitaminas sintéticas. O vegetarianismo é possível ser um regime alimentar saudável e em que nenhuma vitamina ou nutriente mais específico fique em deficiência. Um exemplo que é mencionado muitas vezes é a vitamina B12. Esta vitamina é importante para os neurónios, para o sangue e para o metabolismo, e pode ser encontrada nas nozes e sementes, assim como em folhas verdes, frutas e vários vegetais. “Se comermos 100 gramas de vagem, beterraba, cenoura e ervilha, teremos metade do dito requerimento mínimo diário de vitamina B12, desde que nossa digestão e absorção estejam normais” (https://saudenaturalperfeita.wordpress.com/2014/08/10/deficiencia-de-vitamina-b12-em-veganos-e-um-mito/).


Espero que o post vos tenha sido útil. Para a próxima 6ª-feira cá estarei com um novo tema, escolhido por vocês!

Que tema gostariam que fosse abordado 
para a próxima 6ª-feira?


Os temas que já foram sugeridos anteriormente e não foram abordados são:

1 – Sons binaurais e seus benefícios
2 – Naturopatia
3 – Massagem Breema
4 – Homeopatia
5 – Acupunctura nas Crianças

Mil beijinhos & xi-💓 bem apertadinho!
Vemo-nos, por aqui, na próxima 6ª-feira,
Enfª Mónica Soares