Quem Escreve

Zao Make up Portugal

domingo, 26 de março de 2017

Silêncio

Silêncio...


Sinto a falta do silêncio,
Do silêncio que se fazia ouvir quando estavas aqui.
Um silêncio mágico,
Quando os nossos olhares se cruzavam.
Um silêncio meigo,
Quando os nossos dedos se entrelaçavam.
Um silêncio doce,
Quando os teus lábios se curvavam num sorriso....

Um silêncio alegre,
Quando me abraçavas.
Um silêncio que deixou de o ser,
Quando partiste e o levas-te contigo.
Sinto a falta do silêncio...
Do teu, do meu, do nosso silêncio.


Texto: Paula Cardoso
Imagem retirada da net

10 comentários:

  1. Em tempos o silêncio incomodava-me, acreditas Paulinha? Gostei imenso desta partilha <3

    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ResponderEliminar
  2. maravilhoso... faz lembrar a música Sound of Silence =)

    Um beijiinho dourado

    ResponderEliminar
  3. Silêncio........
    Que palavra forte. Pode trazer calma e serenidade mas também agitação, emoção e inquietude. Podemos dizer tantas coisas em silêncio, mais até do que se abrirmos a boca e começarmos a falar desalmadamente.
    Adorei a tua poesia, e lembra te que apesar de eu estar sempre em silêncio jamais me esqueço de ti.
    Beijo grande amor meu!

    ResponderEliminar
  4. Eu amo o silêncio e, felizmente ou não, agora vivo maioritáriamente com ele por causa da surdez.
    Amei o texto, lindo como todos os que escreves.

    ResponderEliminar
  5. Breve mas intenso! Um grande beijinho querida Paula...temos de falar!!!
    Gosto muito de ti!!!
    elisaumarapariganormal.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  6. Que bonito :)

    Beijinhos,
    www.pirilamposemarte.com

    ResponderEliminar
  7. Gostei dessa ideia de silêncio quase como uma forma de estar acomodado confortavelmente a algo, e como algo que se partilha. Mas, ao mesmo tempo, em contraponto, lembro de ter ficado fascinado com a ideia que recolhi de John Cage, de que enquanto há vida, o silêncio é impossível. Isso porque em condições de silêncio extremo (numa câmara anecoica), começamos a ouvir as batidas do nosso coração, além de um ruído grave do sangue a fluir por nosso corpo, e outro agudo de nosso sistema nervoso a funcionar. Cage, que era músico e aficcionado por sons, se encantou com o fato de que enquanto ele estivesse vivo, haveria sons, e seria impossível adentrar o silêncio...
    Beijos!
    http://teofilotostes.wordpress.com/

    ResponderEliminar

Deixa o teu comentário. É muito importante para mim saber a tua opinião. Respondo sempre... Vai passando para saberes a resposta.

BeijinhoBom*